Esquadrão Centauro Esquadrão Escorpião


ABRA-PC NOTÍCIAS
(Número 79 - Ano XV - mar/abr de 2010)




  
  
  
  
MENSAGEM DA DIRETORIA

DIA DA AVIAÇÃO DE CAÇA

22 DE ABRIL DE 2010

A todos nós, pilotos de caça, as maiores felicitações pela passagem de nosso dia. Sabemos o quanto custou, em sangue e suor, construir tudo isso que construímos, desde o início com os nossos queridos veteranos de guerra, até os dias de hoje. Em cada esquadrão, em cada unidade, a bordo de cada avião, do soldado mais moderno até o oficial mais antigo presente, todos temos a perfeita consciência do esforço despendido e do sacrifício feito. Rejubilemo-nos, pois, cumprimentemo-nos a todos e a cada um, pois mais do que qualquer um, nós merecemos esta homenagem. Nada foi fácil e disso todos nós sabemos. E jamais esqueçamos que

veteranos cumprimentam o comandante

O Comandandante Ten. Brig. Saito cumprimenta os Maj. Brig. Moreira Lima, Miranda Corrêa e Meira


“De Zero a 70 mil quem Comanda é a CAÇA”!


ENDEREÇO

Praça Marechal Âncora 15-A (Prédio do INCAER)
Castelo - Rio de Janeiro - RJ
CEP 20021-200
Tel: (Rio - 21) 2262-4304
E-mail:
popopo#abra-pc.com.br

 (Nota do gerente do Sítio: não colocamos o símbolo "arroba" para evitar que "robôs eletrônicos" descubram o endereço para enviar "spams")

Nosso expediente de secretaria é nas segundas e quartas-feiras das 9:00h às 12:00h.
Nos demais horários deixe o seu recado "na eletrônica", ou transmita um fax.
 


CB. AREINHA - 67B 

Novo míssil


AGENDA

  

22 de Abril

Dia da Aviação de Caça

20 de Maio

Aniversário do Comando Geral de Operações Aéreas (COMGAR)


Ao COMGAR os cumprimentos da ABRA-PC e os votos de ventos sempre favoráveis em todas as missões.


 

BATE-BOLA

 

1 - NOVOS ASSOCIADOS :

Por iniciativa do comandante da Terceira Força Aérea tivemos, nestes últimos tempos, a adesão de diversos pilotos de caça como associados da ABRA-PC. Sentimo-nos extremamente felizes com o auspicioso fato de termos na ala um novo contingente de caçadores que certamente nos ajudarão a levar em frente a saga, as tradições e o legado de nossos heróis do passado. E àqueles que eventualmente ainda não se associaram, fica o nosso chamamento a reunirem-se a nós e a todos os demais pilotos de caça da Força Aérea.

Ao comandante da Terceira Força Aérea os nossos agradecimentos e aos novos associados um vibrante ADELPHI!

Senta a Púa !

  

2 - TOQUE PARA CELULAR :

Informamos aos nobres pilotos de caça que poderão ser baixados, a partir do site da ABRA-PC, toques personalizados para telefones celulares com sons característicos da aviação de caça – partidas de motores, rasantes de aeronaves, emprego de armamento, papo rádio etc. Basta acessar o site, clicar em “SONS” e baixar o toque mais vibrador. Aos associados, “Livre Manobrar”!

 

3 - 15o ANIVERSÁRIO DA ABRA-PC:

No dia 10 de agosto estaremos comemorando o 15o aniversário de nossa associação. Estamos planejando um almoço comemorativo (Churrascão do Caçador...), com direito à nossa tradicional ximboca, no dia 7 de agosto, sábado, no Clube de Aeronáutica, na Barra da Tijuca.
Anotem em suas agendas. Contamos com a presença de todos.

  

4 - INAUGURAÇÃO DE NOVO BUSTO DO PATRONO DA CAÇA NO AEROPORTO DE CACHOEIRA DO SUL:

Dentro das atividades comemorativas do centenário de nascimento do Brigadeiro Nero Moura foi inaugurado, no dia 08 de abril próximo passado, no Aeroporto da cidade de Cachoeira do Sul, um novo busto do Patrono da Aviação de Caça, em substituição a um antigo, lá colocado, que pela ação do tempo já não mais correspondia à importância que aquele filho da cidade e herói do Brasil tinha para todos nós.

A cerimônia contou com a presença do Exmo Senhor Comandante da Aeronáutica, do comandante do COMAR V, de representantes da ABRA-PC e personalidades políticas estaduais e municipais que abrilhantaram com suas presenças mais essa homenagem ao nosso inesquecível patrono.

D.Leonor e o busto de Nero Moura

Sra. Leonor Moura (filha do Brigadeiro Nero)


Adelphi!

  

5 - VIAGEM PRÊMIO À FEIRA AERONÁUTICA DE FARNBOROUGH (INGLATERRA):

Como ocorre todo ano, mais uma vez a ABRA-PC estará patrocinando a ida a uma das duas maiores Feiras Aeronáutica Internacionais da Europa de dois associados nossos. Este ano ela ocorrerá em Farnborough, dentro do sistema de rodízio com a feira de Le Bourget (França), e dela participarão o 2o Tenente Domingos Afonso de Moura Júnior, estagiário padrão do curso de caça de 2009, e o Ten.Cel. Luiz Guilherme Silveira de Medeiros, associado contemplado no sorteio da Loteria Federal.

Foram sorteados, ainda, como 1o suplente o Tenente Roberto Matiolli Júnior e o Cel. Wandyr Binatto Nogueira, como 2o suplente.

Aos pilotos de caça contemplados com a oportunidade os nossos votos de boa viagem e de muito proveito, pessoal e profissional. A ABRA-PC sente-se muito feliz em proporcionar a dois de nossos associados esta viagem, certa de que ela representa uma oportunidade ímpar para o aperfeiçoamento de nossa aviação de caça. Semear em terreno fértil é certeza de uma boa colheita no futuro!

 

6 - PRÊMIO PACAU MAGALHÃES-MOTTA (PPMM) - 2009:

Este ano tivemos a grata surpresa de recebermos uma quantidade bem maior de trabalhos para concorrer ao nosso tradicional PPMM. Ficamos muito felizes em perceber um maior engajamento por parte de nossos pilotos de caça associados, que participando com suas idéias e propostas contribuem para o engrandecimento da nossa aviação de caça. Como sempre a qualidade esteve bem acima da média e, como sempre, também, o prêmio será entregue durante as festividades comemorativas do Dia da Aviação de Caça pelo presidente da ABRA-PC e por familiares do Brigadeiro Magalhães-Motta.

Dentre os trabalhos recebidos, a comissão julgadora houve por bem premiar os dois trabalhos com maior pontuação, tendo em vista a proximidade de pontos obtidos por cada um. Nesse sentido, a cada autor dos trabalhos premiados caberá um prêmio no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais).

São os seguintes os trabalhos premiados e os respectivos autores:

- “Liderança Situacional em Missões Aéreas Compostas” – Autor: Ten.Cel.Av. Rodrigo Fernandes Santos;

- “Liderança em Tempo de Guerra” – Autor: Ten.Cel.Av. David Almeida Alcoforado.

Aos dois oficiais premiados e a todos aqueles que participaram enviando-nos suas contribuições os mais sinceros agradecimentos da ABRA-PC. Temos a certeza que somente através do debate de idéias é que se aperfeiçoam as organizações. A todos um sonoro e vibrante

Senta a Púa!

  

7 - PILOTOS DE CAÇA PROMOVIDOS NO QUADRO DE OFICIAIS-GENERAIS EM 31/03/2010:

Ao posto de Tenente-Brigadeiro do Ar:

  • Maj.Brig. Ailton dos Santos Pohlmann – designado Diretor-Geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA)

Ao posto de Major Brigadeiro do Ar:

  • Brig. Alvani Adão da Silva – designado Vice-Diretor do DCTA;

  • Brig. Jorge Kersul Filho – designado Vice-Diretor do DEPENS;

  • Brig. Marco Antonio Carballo Perez – designado Vice-Secretário da SEFA;

  • Brig. Nilson Soilet Carminati – designado Comandante do COMAR VII;

  • Brig. Antonio Carlos Moretti Bermudez – designado Comandante da Terceira Força Aérea.

  • Ao posto de Brigadeiro do Ar:

  • Cel. Wander Almodovar Golfetto – designado Chefe do Subdepartamento Técnico do DCTA;

  • Cel. Luiz Fernando de Aguiar – designado Chefe do Estado-Maior do COMAR VII;

  • Cel. Luiz Carlos Lebeis Pires Filho – designado Diretor do PAMA AF.

  • A todos os cumprimentos mais efusivos da ABRA-PC, extensivos aos respectivos familiares. Como sempre falamos, que os sonhos de Tenentes, amadurecidos pela experiência dos anos vividos, possam tornar-se realidade. A todos nossos votos de muito sucesso e um sonoro e especial

Adelphi!
  

8 - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO RESUMIDO :

      SALDOS EM 31 DE MARÇO DE 2010

Conta Corrente (Banco Real)

R$ 26.29625

Fundos ABRA-PC (DI-Supremo)

R$ 26.66695

Sub-total recursos ABRA-PC

R$ 48.96320

      FUNDOS ESPECIAIS (*)

Desenvolv. Cult. da Av. de Caça

R$ 2.01418

Prêmio Pacau

R$ 57.19995

      MÉDIAS DE RECEITAS DE 2010

Média anual (jan/mar 10)

R$ 7.61168

      MÉDIAS DE DESPESAS DE 2010

Custeio

R$ 2.33681

Eventuais

R$ 15.94681

(*) A origem desses recursos deve-se à doação de cem mil reais, feita pelo Brig. Magalhães-Motta à Associação Brasileira de Pilotos de Caça.


PARA REFLETIR

O MESTRE
(Marcelo Quaranta)

Seu Alaor caminhava lentamente pelo pátio do Aeroclube onde nos últimos quarenta anos dera instrução, tendo formado um incontável número de alunos, alguns já Comandantes aposentados da aviação comercial. Seus cabelos brancos e o rosto talhado por rugas denunciavam a dedicação e as infindáveis horas debaixo de sol a que o velho Alaor se expusera durante todo esse tempo. O tempo vencia-lhe as feições, mas não conseguia fazer adormecer as asas da velha águia.

Durante suas andanças, passava a mão em cada um três P-56 Paulistinha que compunham a “frota” do aeroclube. Todos contemporâneos de Seu Alaor, e pelos quais ele tinha um carinho especial como se fossem seus bichinhos de estimação. A cada pequeno acidente, Alaor fazia questão de ajudar a recuperar o avião pessoalmente. Aqueles aviões faziam parte de seu corpo.

Ainda se remoia de amargura quando lhe vinha à lembrança o trágico acidente em que perdera um quarto avião e um aluno-solo. Numa manhã cinzenta, sem que estivesse presente no Aeroclube para “liberar o vôo”, como costumeiramente fazia, o aluno foi autorizado, por uma secretária, a decolar, a fim de realizar manobras altas a alguns quilômetros dali.

A entrada de uma frente fria fez com que as prometidas chuvas desabassem sobre toda a região, e o aluno viu-se cercado por pesados cumulonimbus. Na tentativa de regressar ao campo, "guardou" seu vôo num desses gigantes, sucumbindo nas fortes correntes descendentes, que o jogaram ao chão como se fosse um brinquedo. No íntimo Alaor ainda se culpava por não estar no Aeroclube naquele dia. Daí em diante, ninguém – a não ser ele – teria a competência para liberar vôos de alunos.Devido à falta de checadores, o antigo DAC havia conferido a Alaor o título de Checador. Título esse, que ele honrava realizando vôos de exame rigidamente conduzidos dentro dos padrões da legislação. Dessa forma, não só dava instrução como examinava a performance de seus alunos, conferindo-lhes a licença de Piloto Privado. Um de seus alunos, já em fase de “check”, era Júlio - um jovem de 19 anos, a quem Alaor enxergava como alguém que teria um futuro brilhante na aviação, dada a habilidade com que o jovem manobrava o avião. O rapaz havia nascido pra voar, pensava Alaor.

Já tendo completado as quarenta horas de vôo, Julio havia preparado tudo para seu vôo de check, que Alaor marcara para a manhã seguinte. Na hora combinada, lá estava o jovem, prostrado junto ao avião, enquanto Alaor fazia sua ronda costumeira pelo pátio. Alaor aproxima-se do jovem e pergunta:

- Então, Júlio, tudo pronto?

- Tudo pronto Seu Alaor!

- Fez a inspeção externa?

- Fiz sim senhor!

- O Henrique (mecânico do Aeroclube) me disse que um das velas desse avião não está boa. O motor está "pipocando" na partida e também quando avançamos mais rápido a manete de potência. Mas dá pra voar assim mesmo. Vamos?

- Vamos! – disse o jovem, já dirigindo-se para o interior do avião.

 Enquanto Júlio se amarrava com o cinto de segurança, Alaor pediu licença dizendo que iria até o hangar assinar alguns papéis. Após uma hora de espera, o rapaz desiste de ficar sentado no avião e vai à procura de Alaor. Mas o velho instrutor não estava no Aeroclube. O dia passa sem que ele apareça.

No dia seguinte Júlio volta ao Aeroclube e encontra Alaor junto ao mecânico, ajudando-lhe a trocar peças do trem de pouso de uma aeronave de terceiros. O aluno acha mais prudente não comentar o acontecido, mas mesmo assim Alaor se desculpa, dizendo que teve que sair sem avisar, pois um tinha um problema urgente para resolver. Júlio, ainda que não muito convencido, ouve as desculpas. Alaor então manda que o rapaz vá preparar o avião. Chegando perto do velho Paulistinha que seria usado no check, Alaor encontra seu pupilo fazendo a inspeção externa na “máquina”. Pergunta-lhe:

- Julio, está tudo pronto?

- Está sim, Seu Alaor! Tudo prontinho!

- Ok, então vamos lá! O vento está de través e demasiadamente forte para esse tipo de avião, mas nós dois sabemos que o avião segura bem nessas condições, não é isso?

- É sim senhor, Seu Alaor!

- Então lá vamos nós! Só vou ali fazer um xixi e volto já.

Novamente algo havia acontecido. Alaor não voltara ao avião e por mais que Júlio o procurasse, nada de encontrar o velho. Não era feitio de Alaor fazer esse tipo de coisa. Algo realmente teria ocorrido. O dia se foi sem que, mais uma vez, o aluno fizesse seu vôo de check.O dia seguinte amanheceu chuvoso. Alaor chegou bem cedo ao Aeroclube, e antes mesmo que os aviões tivessem sido tirados do hangar, lá estava Júlio sentado na roda do Paulistinha. Sem maiores explicações, o instrutor – notando a cara de contrariado do aluno – mandou que o ajudasse a empurrar o avião pra fora. A chuva apertava paulatinamente. Júlio num salto disse:

- Seu Alaor, eu não vou! Como é que o senhor quer voar com uma chuva dessas? O senhor pode até não gostar do que vou dizer, mas me deixou esperando que nem um bobo nos dois últimos dias. Agora que está chovendo quer voar? Alaor abriu seu costumeiro sorriso.

- Filho, nos últimos dois dias você estava sendo checado. Eu não preciso voar com você pra saber do que você é capaz. Afinal, tudo o que você sabe, eu lhe ensinei. Nos dois últimos dias você havia sido reprovado no check, mas hoje está aprovado.

Júlio fez uma cara de espanto e pediu explicações ao velho Mestre.

- Filho, você lembra no primeiro dia, quando falei-lhe da vela do avião?

Júlio balança a cabeça afirmativamente e Alaor continua:

- Pois é, Júlio, seu check havia começado e terminado ali. Mesmo sabendo que o avião estava com um problema técnico, você se dispôs a voar. Um piloto jamais confia no que o mecânico ou outro piloto diz, sem que verifique com seus próprios olhos aquilo que está sendo dito.

- E ontem seu Alaor? O avião não estava mais com esse problema!

- Ontem, Júlio, eu falei que o vento estava demasiadamente forte para o avião, mas que o "avião" não teria problemas com isso. Em nenhum momento você disse que “você” teria ou não dificuldades com aquele vento, mesmo sabendo que sua experiência ainda não é suficiente para enfrentar determinadas situações. Seu check estava acabado ali. A paciência e a análise são as maiores virtudes de um Piloto. Pilotar um avião, qualquer um pode aprender. Como você poderia ostentar uma licença de piloto, se suas atitudes não correspondiam à altura do comprometimento que se espera de um Piloto?

Júlio abaixou a cabeça, sabendo que a maior e melhor instrução estava lhe sendo dada naquele momento. E Alaor completa:

- Mas hoje foi diferente. Diante da chuva você não se intimidou em me dizer um sonoro “não”. Percebeu sua real condição em relação ao vôo, não expondo nenhum de nós dois ao perigo. E é isso que eu espero de você como Piloto. Você tem futuro, filho. Suas habilidades são surpreendentes, mas devem vir acompanhadas de sensatez e equilíbrio. E isso você só demonstra quando se propõe a pensar na aviação não como um fim, mas sempre como um princípio. A cada dia você vai aprender coisas novas, para as quais poderá estar ou não preparado. Encarar a todas essas coisas é como colocar uma venda nos olhos e dar passos sem saber se o que há na frente é um abismo. Antes de fazer um voo analise o meio em que está. Analise a máquina que vai conduzir e por fim, analise as suas limitações como homem. Só assim você terá a certeza de que o próximo passo nada mais será do que o antecessor de outros maiores.

Alaor deu um grande abraço em Júlio, dizendo:

- Parabéns Comandante! Você passou no check. Já havia assinado a sua licença provisória, mas só agora tenho a certeza de poder entregá-la a você.

Passaram-se quinze anos. À porta do jato comercial, aguardando o embarque, está Júlio, vestido num impecável uniforme de Comandante. As quatro faixas douradas reluziam em cada um dos punhos do jaquetão azul. O embarque é autorizado, e agora o Comandante Júlio vê aproximar-se do avião o funcionário trazendo um ancião numa cadeira de rodas. A vida lhe reservara, como presente, uma das maiores e melhores coincidências que poderia protagonizar. Júlio desce rapidamente as escadas e manda que o funcionário se afaste. Delicadamente retira o idoso da cadeira de rodas, beija-lhe a testa e, carregando-o no colo, sobe as escadas do avião cercando-o de cuidados. Vendo o esforço do Comandante, o funcionário tenta intervir:

- Comandante, o senhor não precisa fazer isso...

Júlio replica:

- Preciso sim. Um dia ele também fez isso comigo.

O velho era Alaor - o Mestre a quem Júlio era eternamente grato pela maior lição que recebera na aviação.  

Autor Marcelo Quaranta
Contribuição Recebida do Cel.Av.R1.
Antonio Ricieri Biasus
Piloto de Caça - Turma de 1975

 

 

Temos 77 visitantes e Nenhum membro online