Esquadrão Joker - 11k Esquadrão Flecha - 6k

ABRA-PC NOTÍCIAS

(Número 84 - Ano XV - jan/fev de 2011)




  

MENSAGEM DA DIRETORIA

NERO MOURA, NOSSO PATRONO

Nascido em 31 de Janeiro 1910 em Cachoeira do Sul (RS), nosso Jambock 01 foi declarado Aspirante a Oficial no quadro da Aviação Militar do Exército Brasileiro em 22 de novembro de 1930.Nero Moura na 2ª Guerra Mundial

Tomou parte da Revolução Constitucionalista de 1932, quando cumpriu diversas missões aéreas. 
Mercê de seus dons e dotes como Aviador Militar, foi designado para realizar um Curso na "École de Application de Aviation" na França, onde de distinguiu como Piloto Operacional nas missões de tiro e bombardeio.
Foi Membro da Comissão de Estudos voltada para a aquisição de material aéreo para a Aviação Militar.
Foi designado “piloto pessoal” do Presidente da República (Getúlio Vargas) e, nessa função, repartiu a pilotagem com o então Capitão de Corveta Oswaldo Pamplona Pinto, seu Oficial de Operações na Campanha da Itália.

Designado Comandante do 1o Grupo de Aviação de Caça (como Major) cumpriu 62 missões ofensivas no Teatro de Operações da Itália em 1945.
Foi Ministro da Aeronáutica no período de 30 de janeiro de 1951 a 18 de agosto de 1954.

Nas comemorações de seu aniversário (31 Jan 2011), erguemos nossas mãos à pala e saudamos nosso VETERANO DE GUERRA com um saudoso

ADELPHI!


Maj. Brig. do Ar Lauro Ney Menezes
Presidente


ENDEREÇO

Praça Marechal Âncora 15-A (Prédio do INCAER)
Castelo - Rio de Janeiro - RJ
CEP 20021-200
Tel (21) 8182-6924 (Celular do Secretário Mesquita)
E-mail:
popopo#abra-pc.com.br

 

 (Nota do gerente do Sítio: não colocamos o símbolo "arroba" para evitar que "robôs eletrônicos" descubram o endereço para enviar "spams")

Nosso expediente de secretaria é nas segundas e quartas-feiras das 9:00h às 12:00h.
Nos demais horários deixe o seu recado "na eletrônica", ou transmita um fax pelo telefone 21-2262-4304.

 


CB. AREINHA - 72B

Poesia de Camões...


AGENDA

24 de março

Aniversário do 1o/14o GAv (Pampa)

05 de abril

Aniversário do 2o/3o GAv (Grifo)

11 de abril

Aniversário do 1o GDA (Jaguar)

22 de abril

Dia da Aviação de Caça


Às Unidades aniversariantes os votos de muitas felicidades, de sucesso pleno em todas as atividades e de ventos sempre favoráveis em todos os instantes! Boas missões e bons pousos.

 


PAPO-RÁDIO

1 - OPERAÇÃO CRUZEX V ("OLD EAGLE DAY"):

No período de 28 de outubro a 19 de novembro, a FAB realizou no Nordeste a operação CRUZEX V. Um exercício de planejamento de comando que envolveu todas as aviações da Força Aérea e da qual participaram cinco países: Estados Unidos, França, Chile, Argentina e Uruguai, num envolvimento de mais de 3.000 militares.

As aeronaves de caça envolvidas eram os F-16 dos EUA e Chile; os F- 5M, A-1 e A-29 do Brasil; os IA-58 Pucará e A-37 do Uruguai e os Rafale e F-2000 da França. No apoio direto a essas aeronaves havia as aeronaves de reabastecimento KC-130, KC-135 e o AEW (E-99). O apoio logístico francês foi feito pelo gigantesco Antonov-24 (fretado), com capacidade para transportar 200 toneladas.

Velhas Águias na CRUZEX

No dia 12 de novembro, numa criativa e meritória iniciativa do Ten Brig Burnier, comandante do COMGAR, houve o “OLD EAGLE DAY” (dia da "velhas águias"). Dia reservado àqueles que não estão mais na ativa, mas que por muitos anos deram sua contribuição a FAB, para acompanharem a realização das operações. Nesse dia a FAB levou para Natal mais de 100 oficiais das mais diversas aviações e gerações. Assim, aqueles que eventualmente não acompanharam a evolução das novas tecnologias e as mudanças operacionais no emprego da Força tiveram a oportunidade de ver como a FAB está operando hoje.

Nós, que saímos do Rio, decolamos do Galeão às 15:00 horas do dia 11 e chegamos a Natal as 18:00 horas. Numa demonstração de grande consideração para com “Velhas Águias”, fomos recebidos por todos os oficiais dos Comandos das Forças Aéreas de todos os países envolvidos na operação. A engrenagem foi perfeita, fomos distribuídos em grupos para facilitar a visita às instalações no dia seguinte, recebemos tarjetas nominais e coloridas, conforme o grupo, e seguimos para um coquetel de recepção e em sequência um jantar onde houve uma grande confraternização das “Velhas Águias” com os atuais integrantes da ativa. O papo rolou até altas horas.

Tarjeta nominalNa manhã seguinte, dia 12, após o café, nos dividimos em grupos, cada um com um “orientador” que em geral era do CECOMSAER, que nos acompanhava e explicava sobre todos os passos, eventos, funcionamento e aspectos operacionais da CRUZEX. Sabiam tudo. O aspecto mais importante a comentar sobre as operações está ligado ao uso intensivo da informática e ao desenvolvimento, havido nos últimos anos, da eletrônica e das comunicações. Este fato permite se ter hoje:

1) A aeronave AEW; 
2) Comunicação total e imediata entre os diversos comandos, unidades e até mesmo aeronaves; 
3) Rapidez no acionamento de missões e no fluxo de informações; e
4) Consequente controle imediato e on line dos acontecimentos.

Operacionalmente pudemos observar:

1) O uso intensivo da aeronave AEW;
2) O REVO funcionando como um ponto fixo e permanente para reabastecimento; e
3) O conceito de missões prioritariamente em pacotes e não mais isoladas.

Foi uma belíssima visita onde tudo correu de maneira absolutamente perfeita, e permitiu que pudéssemos observar o quanto a Força Aérea evoluiu nos últimos anos. Tenho certeza que aqueles que tiveram a oportunidade de irem a Natal voltaram orgulhosos da FAB de hoje e com a certeza de que ela está em boas mãos.

Uma menção especial não poderia deixar de ser feita ao Ten Brig Burnier, atual comandante do COMGAR e idealizador do “OLD EAGLES DAY”. Seu entusiasmo, a organização de nossa estadia, a maneira fraterna e atenciosa como nos recebeu, além dos conhecimentos operacionais demonstrados durante o Exercício o fazem merecedor de nossa admiração e respeito. Nos dá a certeza que, além de nossa aviação de caça, todas as aviações estão em muito boas mãos.

Sérgio Ribeiro
Piloto de Caça - Turma de 1957

 

  

2 - MOCHILA DE CAÇA:

Estamos enviando com este boletim o brinde de Ano Novo, a “Mochila de Caça Tipo 1 Modelo B (MC-1B)”. Leiam a T.O. e... um ano cheio de boas viagens !

Senta a Púa !

  

3 - NOVA TURMA DE PILOTOS DE CAÇA:

Representantes da diretoria da ABRA-PC participaram, no mês de dezembro de 2010, de mais uma formatura de pilotos de caça da Força Aérea. Concluíram o curso 28 pilotos, tendo sido escolhido como “Estagiário Padrão” o 2o Tenente Raphael Hassin Kersul, que recebeu das mãos do presidente da Associação o prêmio a que fez jus, de uma viagem à Feira Internacional de Le Bourget, a realizar-se no meio do ano de 2011.A destacar a invariável vibração dos novos pilotos e a excelência da formação ministrada pelo 2o/5o GAv, Esquadrão Joker, bem como o fato de todos os 28 novos caçadores terem se associado à ABRA-PC. Fica aqui o chamamento aos pilotos mais antigos à responsabilidade de não deixar que essa vibração e profissionalismo demonstrados pelos novos pilotos de caça se esvaia na rotina do dia a dia de nossos esquadrões!Sejam também bemvindos à ABRA-PC!! Aos novos caçadores um vibrante

Adelphi!!! 

  

4 - PRÊMIO VIAGEM AO EXTERIOR:

Como mencionado no item anterior, anualmente é concedido pel ABRA-PC, ao estagiário padrão da nova turma de caçadores, o prêmio de uma viagem ao exterior para participar de uma Feira Aeronáutica Internacional, com vistas a incentivar o aprofundamento de conhecimento de matérias ligadas à sua atividade profissional. Além desse prêmio, a Associação também estende a um dos demais associados a oportunidade de participar dessas Feiras, por meio de um sorteio baseado na Loteria Federal.

Tradicionalmente essas viagens ocorrem para as Feiras Internacionais de Le Bourget, na França, e Farnborough, na Inglaterra. Temos também a alternativa da FIDAE, no Chile. Entretanto, conversando com vários pilotos de caça e associados, recebemos sugestões de que as Feiras “Sun & Fun” (EUA) e Oshkosh (EUA), também seriam muito interessantes de serem incluídas nesse rol, embora fujam um pouco da temática militar das demais.

Isto posto, aproveitando nosso papo-rádio, consultamos nossos associados a respeito do assunto. No "site" da Associação, na internet (http://www.abra-pc.com.br), foi colocada uma enquete para saber o que pensam nossos nobres caçadores. Acessem, deem suas opiniões, a Associação existe para ir ao encontro dos anseios dos associados e agradece a colaboração.

E falando sobre isso, considerando o sorteio da Loteria federal ocorrido no 22/01/11, foram contemplados com a viagem a Le Bourget, neste ano, os seguintes oficiais:

1- Cap Artur Ribas Teixeira (efetivo);
2- Brig José Hugo Volkmer (1o suplente);
3- Maj Brig R1 Archimedes Farias Filho (2o suplente).

A diretoria administrativa da ABRA-PC entrará em contato com os oficiais citados, bem como com o 2o Ten. Raphael Hassin Kersul, estagiário padrão do curso de caça de 2010, para ultimar as providências relativas à viagem.

  

5 - PRÊMIO PACAU MAGALHÃES-MOTTA (PPMM 2010):

Lamentamos informar aos nobres associados que em virtude de NÃO TERMOS RECEBIDO NENHUM TRABALHO para concorrer ao PPMM de 2010 o citado prêmio fica adiado para 2011. Não há como não expressar nossa frustração pela ausência de qualquer colaboração escrita por parte dos nossos associados. Cremos, inclusive, que essa frustração será também sentida pelos atuais comandantes e pilotos de caça associados, bem como pelo Brig Magalhães Motta (onde ele estiver) e seus familiares, que doou do próprio bolso a quantia de R$ 50.000,00, com o propósito de incentivar a produção de trabalhos que visassem o aperfeiçoamento da aviação de caça do Brasil.

Como já dissemos mais de uma vez, haverá de chegar o dia em que descobriremos que a pena de uma caneta pode ser mais poderosa do que diversas bombas para a mudança de comportamentos. Frustrados estamos, mas não desistiremos de no nosso intuito defazer nossos pilotos de caça pensarem.

Até 2011!!!!

 

6 - SEXTO COSTELÃO DO CAÇADOR:

Mais uma vez, no dia 04 de outubro, no Clube de Aeronáutica deBrasília, o Cel Bukowitz organizou o seu já conhecido “Costelão do Buko”. Churrasco de alta qualidade cuja peça principal, como o nome da reunião indica, é uma belíssima costela de gado maturado, que gaúcho nenhum pode botar defeito. Na oportunidade reúnem-se os muitos caçadores da reserva e da ativa de Brasília e arredores.

Embora já tivesse ouvido falar das qualidades da costela, através dos comentários das edições anteriores do “Costelão”, ainda não tinha tido a oportunidade de prová-la. Assim, atendendo ao convite do Buko, com quem estive em Natal durante a CRUZEX, peguei um WebJet no Galeão e fui conferir. Valeu duplamente a pena. Não só pela costela que fez jus a sua fama, mas principalmente pela oportunidade de estar com velhos amigos caçadores das mais diversas gerações. Entre as velhíssimas águias estava o Ten Brig Rosa Filho e entre as autoridades o Ten Brig Burnier. Uma reunião alegre e descontraída, com poucos discursos e muitas histórias e gozações como sói acontecer quando se está entre amigos. Havia alguns que foram meus chefes e muitos que chefiei, mas ali éramos todos simplesmente caçadores. Valeu a pena a ida. E ao Buko, meus parabéns pela costela e pela agradabilíssima reunião,que já entrou no calendário da ABRA-PC como evento permanente.

Sérgio Ribeiro
Piloto de Caça - Turma de 1957

  

7 - TRAVESSIA DOS BRAVOS:

NATAÇÃO NO MAR DO ARQUIPÉLAGO DAS ILHA CAGARRAS ATÉ A PRAIA IPANEMA NO RIO DE JANEIRO
("SWIMMING" 09 JANEIRO 2011)

Para gáudio de todos os caçadores e exemplo para a garotada mais jovem, informamos que nosso nobre Cel R1 Ivan Von Trompowsky Douat Taulois (Piloto de Caça – Turma 1959) completou em primeiro lugar, na sua faixa etária e Categoria Master 75, a chamada Travessia dos Bravos, prova de natação oceânica entre a Ilha das Cagarras e a Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, com o tempo de 01:46:75h.

Ao Cel Trompowsky os cumprimentos da ABRA-PC e pelo feito realizado o mais efusivo

 Adelphi!

  

8 - OBITUÁRIO (1):

Recebemos do Cel Aymone, ex-comandante do 1o Grupo de Aviação de Caça, a mensagem eletrônica que se segue, que comunica o falecimento do Cabo Lair, velho componente do 1o GAC, ocorrido no dia 09 de janeiro de 2011.

Aqueles com mais de 40 anos, independente de terem servido ou não em Santa Cruz, certamente conheceram o Cabo Lair, veterano componente da equipe de pista do 1o GAC, que dentro da irreverência característica do carioca, era um profissional de mão cheia, daqueles com quem se podia contar para qualquer coisa. Lair e Ladislau faziam uma dupla que carregava qualquer unidade nas costas!

Segue a mensagem:

Amigos, vocês fazem parte do meu caderno de endereço e infelizmente sou eu que devo comunicar a decolagem derradeira de um ícone do Grupo de Caça: o sempre presente Cabo Lair. Não sei exato quando começou sua história na caça nem quantos pilotos foram amarrados por ele, mas sei que desde que lá cheguei, aprendi a respeitar a opinião e a irreverência do cabo velho. Se neguinho mais antigo respeitava, não seria o capitão novinho que ia enquadrar o velho Lair. Não só por isso, mas também pela experiência e sabedoria que acumulou nos longos anos de labuta no calorão de Santa Cruz.

Já sargento, fomos para a reserva na mesma época e, também juntos, reformados. Continuamos amigos e em contato até anteontem, quando me ligou para saber se eu ia a “Santaca” no dia 28; à tarde sua filha ligou dizendo que ele fora atropelado e pedindo uma transferência para a Aeronáutica.Hoje infelizmente recebi a notícia de seu passamento; apesar de pela manhã sua esposa ter me dito que ele estava bem e preferia ficar no Salgado Filho.

Ainda não sei onde será o velório, mas quando souber avisarei. Não tenho o endereço de muita gente, mas peço que quem tiver acesso à ABRA-PC que divulgue. 

Obrigado, cabo velho

 À la chasse !

 Newton da Silva Aymone
Coronel Aviador R1
Piloto de Caça - Turma de 1972

  

 

'Velho' Lair e Godinho

Sobre este assunto, várias mensagens eletrônicas foram recebidas pela ABRA-PC, algumas das quais são repassadas a seguir para o conhecimento dos nossos associados, principalmente para aqueles mais jovens que estão iniciando, agora, suas jornadas na aviação de caça:

Uma pena. O Lair foi um cara que marcou minha vida de Tenente novinho no Segundão.

Paulo José Pinto
Coronel Aviador R1
Piloto de Caça - Turma de 1961

  

Lamento. O CB Lair, "folgado", mas muito profissional. O conheci bem.

Ajax Mendes Correa
Coronel Aviador Ref.
Piloto de Caça - Turma de 1957

  

Que pena!
Cheguei aqui a Istambul hoje cedo, vindo de Cingapura, e encontrei esta mensagem, que me deixou triste, como tenho certeza, o fez também com muitos de nós, caçadores, que passamos pelo 1o GpAvCa e tivemos o privilégio de lá conviver com o “Véio Lair” de Jesus.

Era mesmo uma das imagens do Grupo. Sua experiência na unidade, sua forma de isso passar, seu modo direto de ser que beirava uma irreverência bem ajustada ao seu comportamento que sabia “chegar-dizer-sair”, sua dedicação à FAB e zelo em seu ofício de auxiliar de mecânico de linha de voo, era logo percebida e assim ele granjeava o “respeito-admiração” de todos que com ele serviam.

Quando cheguei ao Grupo, como 1o Ten antigo - líder de esquadrilha - logo percebi que muito poderia aprender com ele e assim o fiz. Pedi que ele fizesse comigo uma inspeção externa de um F-5B e depois de um "E", quando fui tudo perguntando e ele me falando, o que ocorria no dia a dia, as panes e situações mais comuns e críticas: que aula! No meu solo de F-5E, cujo chase foi o Machado (uma turma a minha frente), lá estava ele.

Algumas vezes, nos deslocamentos do Grupo, em C-130 ou C-115, me diverti com seus casos que aliviavam as horas naqueles desconfortáveis bancos laterais... nos períodos de Combate Dissimilar, em AN, lá estava ele, sempre pronto a nos atender, nas chegadas e saídas e sempre com seu bom humor e energia... sempre contando seus casos e na maioria das vezes tendo por perto o Cb Ladislau , seu “ala” de anos também.

Lembro-me bem dele contando o acidente do Carvalho Jr., com detalhes...

Em 1980 fomos operar em RF, em uma Op. UNITAS. Durante uma DEP um elemento do 2o Esqd. (Dias e Ariovaldo) abortou a alta velocidade. Era hora de almoço e havia pouca gente na pista. Eu era um deles e estava a conversar com o Lair e o Ladislau que tinham acabado de dar saída àquele voo. Ao ver os "drag-chutes" serem acionados saímos correndo. Eles para o nosso jeep e eu para a minha “mobilete” camuflada e lá fomos. Os bombeiros, ao chegarem, ficaram hesitando quanto ao que fazer, mas eles não: pegaram as mangueiras e extinguiram os focos de incêndio nos cubos de rodas dos trens de pouso enquanto eu ia encontrar os dois Pif-Paf.

Muito me admirava de como ele conhecia tão bem detalhes do F-5B/E, mesmo não sendo versado no idioma inglês... mas ele muito sabia, e bem.Nos idos de 1980, em uma missão de ataque a uma Força Naval, aproximadamente 20 milhas náuticas ao Sul da Ilha Rasa, ao nascer-do-sol, numa esquadrilha liderada pelo Machado, tendo como no 3 o Dias, o no 2 o Maia “Galo Veio” ( minha turma ) e eu de no 4, durante a evasiva, a cerca de 520 kt, encontrei um bando de grandes aves marinhas do tipo Atobá, sendo a colisão inevitável... Umas 5 se chocaram com meu avião e como resultado perdi o motor esquerdo e voltei em emocionantes 10 minutos de voo para SC, sobre o mar, com o motor direito oscilando tremendamente as RPM... Ao cortar o motor, no estacionamento, o Lair subiu na escada da aeronave e me perguntou assustado se os navios haviam atirado em mim... A deriva e o estabilizador, pelo impacto das aves, tinham pontos onde faltavam pedaços... e também muitas manchas de “sangue-gordura” e com parabrisa lascado ...

Ao contar como fora, demos boas risadas.

Ao passar para a reserva ele foi brindado com um voo de F-5B, e na volta tomou um banho “de balde” e disso participei, tendo algumas fotos dele todo sorridente: missão cumprida e muito bem cumprida!

Tempos depois, já fora da FAB por vários anos, ao ir a PIPAR, passando ali pela lateral do prédio do Ministério, ouvi um: “Oi meu chefe Cmt. Caçador!” Quando me virei lá estava ele, ao lado da banca de jornal. Abraçamo-nos e ficamos a conversar por um bom tempo... reminiscências muitas... e ele me disse estar trabalhando com a Liga das Escolas de Samba e muito contente.

Agora ele parte e sem dúvida vai deixar muita lembrança boa e saudade entre seus companheiros de Aviação de Caca, do Grupo, mas por certo vai estar em boa companhia de muita gente “lá em cima”, e muita conversa e risadas, como sempre, não vão faltar.

 À la chasse Lair de Jesus!

 Marco Aurélio Rocha “Rocky”
Comandante - Major Aviador R1
Piloto de Caça - Turma de 1976

  

Nobres amigos Queiroz, Sandim e'Velho' Lair
Na vida todos temos um plano de voo, mas é sempre um choque recebermos uma notícia como essa. Lamento muito pela família do Lair, pela família do 1o Grupo de Caça e pela família de caçadores da Força Aérea.

Quando completei 1000 horas de F-5 (acho que fui o primeiro a fazer) fiz questão de voar a bordo de um F-5B, tendo na nacele traseira o então cabo Lair – na minha cabeça, com esse gesto estava homenageando todos os mecânicos do Grupo de Caça e, em especial, o cabo Lair, sem os quais nada seria possível fazer. Com aquele seu jeito irreverente, era um profissional de mão cheia, daqueles com quem se podia contar para tudo!Aos amigos caçadores e à família do Lair meus sinceros sentimentos. Para ele um sentido e forte

 

Adelphi!

 Teomar Fonseca Quírico
Brigadeiro do Ar R1
Piloto de Caça - Turma de 1970

  

  

Nós, Caçadores, perdemos o cara que, seguramente, mais dignificou o espírito do Graduado de Caça (pelo menos dos que eu conheci...). O Lair era um Cabo Caçador!! Um tremendo amigo que encarava qualquer parada, com ele não tinha mau tempo, sempre pronto para ajudar e dar uma força... Não tinha hora, estava sempre disponível. Quantas passagens com o Velho Lair... Espero que esteja agora numa melhor. Sem dúvida, onde estiver, vai estar dando as cartas...

 À La chasse!

 Reinaldo Peixe Lima
Coronel Aviador R1
Piloto de Caça - Turma de 1969

  

Prezados Caçadores,
Que tal a FAB criar um Troféu Operacional com o seu nome para premiar o Graduado mais eficiente ou o apoio mais eficiente do TAC? Isso dignificaria a memória do Lair.

Deixo aqui esta sugestão.
Abraços,

Miguel Dau
Comandante
Piloto de Caça - Turma de 1982
Vice-Presidente Técnico-Operacional
Azul Linhas Aérea S.A.

  

  

Major Brigadeiro Alberto BALTAR9 - OBITUÁRIO (2):

 Lamentamos informar aos nossos associados o falecimento do Maj Brig R1 Alberto Baltar, Jambock e Jaguar 47, ocorrido na cidade do Rio de Janeiro, no dia 23 de janeiro pp.

Aos familiares do Maj Brig Baltar nossos sentimentos pela perda do ente querido e em sua homenagem um solene

  Adelphi!

  

  

10 - PALESTRA NO INCAER:

Será realizada, no INCAER, na última quarta-feira do mês de abril (dia 27), uma palestra comemorativa do Dia da Aviação de Caça, como tradicionalmente ocorre todo ano. Esse evento é patrocinado pelo próprio INCAER, que reserva esse mês para homenagear toda a aviação de caça brasileira.

Este ano a palestra será proferida pelo Maj Brig Ref José Rebello Meira de Vasconcelos, veterano do 1o Grupo de Caça na Itália, que contará um pouco da sua experiência vivida de guerra num hoje tão distante ano de 1944/1945.

Convidamos todos os caçadores, inclusive os da reserva e que moram no Rio de Janeiro, a assistirem essa palestra que certamente nos ilustrará de forma real aquilo para o qual sempre treinamos e que permanece sempre no nosso imaginário.

  

11 - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO RESUMIDO :

      SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

 

Conta Corrente (Banco Real)

R$ 5.21626

Fundos ABRA-PC (DI-Supremo)

R$ 22.97478

Sub-total recursos ABRA-PC

R$ 28.19104

 

      FUNDOS ESPECIAIS (*)

 

Desenvolv. Cult. da Av. de Caça

R$ 12.41760

Prêmio Pacau

R$ 54.35853

 

      MÉDIAS DE RECEITAS DE 2010

 

Média anual

R$ 9.03207

 

      MÉDIAS DE DESPESAS DE 2010

 

Custeio

R$ 2.88814

Eventuais

R$ 15.66816

(*) A origem desses recursos deve-se à doação de cem mil reais, feita pelo Brig. Magalhães-Motta à Associação Brasileira de Pilotos de Caça.


PARA REFLETIR



MENSAGENS

Muito já se falou que ser caçador é um estado de espírito, próprio daqueles que querem sempre fazer certo e da melhor forma possível e que nesse sentido, qualquer um que possua esse espírito, independente de pilotar um avião de caça ou da profissão que abrace, certamente é um caçador.

Recentemente tivemos a assunção de comando de uma organização da FAB, que gerou diversas mensagens eletrônicas recebidas pela ABRAPC que julgamos conveniente divulgar aos associados, face à importância do reconhecimento desse espírito em pessoas que não são pilotos de caça, como o Cabo Lair acima citado.

  

MENSAGEM RECEBIDA (1)

“Caros Amigos,

Eu sei que muito já foi dito a respeito de nosso amigo De Marco e o que ele fez por nós Caçadores e pela Aviação de Caça – tudo simplesmente incontestável! Mas é importante lembrar que o De Marco tem uma brilhante carreira, reconhecida não apenas entre os Caçadores.

No ano passado, presenciei alguns fatos que ratificaram o profissionalismo e a capacidade de fazer amigos que lhes são característicos. Ele foi elogiado por oficiais do Exército (EB) e da Marinha (MB) pelo seu excelente trabalho ao comandar o Hospital de Campanha no Haiti, pois conseguiu levar um pouco de alívio e esperança para um sem-número de pessoas atingidas pelo terremoto; o De Marco, carismático como sempre, ainda conseguiu congregar militares da FAB, EB e FN em alguns poucos momentos de lazer, não obstante as precárias condições em Port-au-Prince. Mesmo com todos os envolvimentos e responsabilidades no Haiti, nesse mesmo período ele veio a Washington para negociar o novo acordo do plano de saúde dos funcionários da CABW, o que resultou em uma considerável economia de recursos para a Força Aérea.

Fato curioso durante a viagem: foi e voltou em aviões comerciais, vergando com orgulho o seu 10o uniforme e recebendo, nos aeroportos, elogios de moças e moços (aqueles do “Don’t ask, don’t tell”); confiram a foto em anexo enviada para o "Homeland Security", de modo a identificá-lo junto à segurança dos aeroportos de Washington e Miami.

Em dezembro passado, foi escalado na última hora para representar a FAB em uma reunião sobre Aerospace Medicine, em Edinburgh, Scotland; supostamente deveria ser ouvinte, mas no segundo dia já estava ministrando aulas e “dando as cartas”, o que praticamente garantiu a participação da Força Aérea nas próximas atividades de um seleto grupo denominado “Air and Space Interoperability Council”.

Portanto, a homenagem da IIIa FAE foi, sem dúvida, o justo reconhecimento da Aviação de Caça; e o Comando do Hospital de Aeronáutica dos Afonsos (HAAF) é a legítima recompensa do Comando da Aeronáutica pelos excelentes serviços prestados. De Marco, parabéns e felicidades!
Um grande abraço para todos.

PS: se alguém viajar para Mendoza, na Argentina, não avise ao De Marco, pois ele pode pedir para trazer um gato (o animal...)

Antonio Carlos Egitodo Amaral
Brigadeiro do Ar
Piloto de Caça - Turma de 1982



MENSAGEM RECEBIDA (2)

A todos,

Em Dezembro de 1989, a maioria do Grupo de Caça estava em férias e alguns poucos de nós haviam ficado para manter o mínimo de operacionalidade e dar manutenção nas aeronaves. Como éramos poucos, todos tiravam o alerta, inclusive os majores. Num desses dias como alerta, fui acionado para os costumeiros exercícios de interceptação de aeronaves comerciais entre S. Paulo e Rio e terminei uma dessas interceptações no nível 400 na vertical da pista de Santaca, em torno das 17:00 horas. Pedi a TABA para descer em espiral sobre a Zona e chamar Primave, no que fui autorizado.

Iniciei a tal espiral descendente, com alta razão de descida, e ao cruzar 8.000 ft senti um baque no rosto e minha máscara encher de sangue. Achei que tinha colidido com um urubu e já me imaginei compondo a esquadrilha do “Irmão”Glauco e do “Bruxo” Servan. No entanto a vista que havia escurecido, voltou a clarear alguns segundos depois.

A partir daí declarei emergência e rumei diretamente para a final, com vertigens e intensa dor a cada pé que descia. Não consegui sequer livrar a pista e entrei numa ambulância em direção a nosso hospital, que naquela época em obras, operava precariamente numas barracas de campanha em frente ao rancho. De lá, a primeira coisa que fiz foi telefonar para o De Marco, que já havia deixado o Grupo para servir no HFAG e estava na praia em Niterói.

Pra encurtar a história, que já toma ares de "soap opera" (não Lobo, eu não vou morrer no final que nem o Totó!), marcamos um "rendez-vous" na cabeceira da pista do Santos-Dumont aonde cheguei com o Gobbo, voando à “meia-vaca” desde Santa Cruz, para encontrar o Doc de sunga e camiseta na viatura do operações, embarcá-lo e rumar para o Galeão, onde outra ambulância me levou ao HFAG onde finalmente pude ter algum alívio e ali permanecer baixado por dois dias para curar a hemorragia da sinusite que ocasionara o quase acidente. Cel.Médico Marco DE MARCO

Assim é o Doc, médico de caça e da família dos caçadores que, sem exceção, a ele recorrem, seja caso de “quebranto nas bundinhas”, defluxo, espinhela caída ou unha encravada! Porra louca, sim, mas cada um tem o médico que merece... Nada mais justa a homenagem de hoje e o prestígio de nossa elite, a começar pela presença do Brigadeiro Meira.

Um final feliz, que nos alegra quando hoje lamentamos a morte de outro emérito caçador: o velho e querido Cabo Lair. Parabéns ao Chefe Sandim (meu Cmt de esquadrilha na Sorbonne), um homem que não tolera injustiças, e ao Bermudez, que com a bela homenagem ao Doc mostrou porque é hoje o Comandante da Caça.”


Flávio Catoira Kauffman
Coronel Aviador R1
Piloto de Caça - Turma de 1978



MENSAGEM RECEBIDA (3)

HOMENAGEM DA AVIAÇÃO DE CAÇA

Prezado Cel De Marco,

No momento em que V.Sa. assume seu primeiro comando de uma Organização de Saúde, não poderia a Aviação de Caça deixar de estar presente. É o nosso reconhecimento pelo profissionalismo com que V.Sa. exerceu a função de Médico de Esquadrão de duas das nossas Unidades de Primeira Linha: o 1o/14o GAv, Esquadrão Pampa, e o 1o Grupo de Aviação de Caça.

Também merece registro a sua dedicação ímpar como médico particular do Patrono da Aviação de Caça, Brig Nero Moura, até os seus últimos instantes de vida. E, principalmente, é o agradecimento pela amizade, a atenção e o carinho com que V.Sa tem cuidado nesses anos todos dos nossos Veteranos da IIa Guerra Mundial, que hoje também comparecem ao Campo dos Afonsos para assistirem a mais essa vitória na sua carreira.

A bordo do F-5 que hoje cruza os céus em sua homenagem, está o próprio Comandante do 1o Grupo de Aviação de Caça, herdeiro legítimo do seu paciente mais ilustre, o Brig Nero Moura. Por intermédio dele, sinta-se prestigiado por todos nós da Aviação de Caça, que lhe desejamos muitas felicidades, ao Sr. e a toda a sua equipe, com os votos de um excelente Comando no Hospital de Aeronáutica do Afonsos.

À la chasse! Senta a Púa !


Maj.Brig.do Ar ANTONIO CARLOS MORETTI BERMUDEZ
Comandante da Aviação de Caça
Piloto de Caça - Turma de 1980

 


 

 

Temos 49 visitantes e Nenhum membro online