Grupo Jaguar - 11k Pacau 11k

ABRA-PC NOTÍCIAS

(Número 94 - Ano XVII - set/out de 2012)




 

MENSAGEM DA DIRETORIA

Prezados Caçadores,

Não há como não sentir uma ponta de decepção ante a divulgação do adiamento, mais uma vez, da decisão a respeito do nosso futuro caça de combate.
Nessas ocasiões, um misto de sentimentos tomam nossas mentes e corações, desde aqueles mais radicais até os mais centrados. E é nessas horas, nas horas de crise, que temos a oportunidade de demonstrar o que significa pertencer a um grupo de pessoas tão especial como a comunidade dos pilotos de caça.Brig. Nero Moura!

Já houve época de voarmos caça de T-6, TF-33 com restrição de 3G´s e outros aviões com diversas restrições operacionais, mas nem por isso perdemos a motivação e, apesar dos pesares, sempre demos o melhor que tínhamos para dar.

Chamo a atenção que isto é mais do que “fazer o melhor possível” que é popularmente dito, dar o melhor de si é dar mais do que o possível. Hoje temos o F-5M, o A-1M e o A-29 e, além disso, temos o Comando de Caça que sempre desejamos. Evidentemente que a arma faz uma grande diferença em combate, mas acima de tudo é o coração do guerreiro que conta.

A despeito do gosto amargo na boca com mais este adiamento, não devemos esmorecer.

Assim tem sido desde que nossos veteranos desembarcaram na Itália respondendo ao chamamento da Pátria!

Senta a Púa, Brasil !



ENDEREÇO

Praça Marechal Âncora 15-A (Prédio do INCAER)
Castelo - Rio de Janeiro - RJ
CEP 20021-200
Tel (21) 8182-6924 (Celular do Secretário Mesquita)
E-mail:
popopo#abra-pc.com.br

 

(Nota do gerente do Sítio: não colocamos o símbolo "arroba" para evitar que "robôs eletrônicos" descubram o endereço para enviar "spams")
Nosso expediente de secretaria é nas segundas e quartas-feiras das 9:00h às 12:00h.

 


  ZÉ GALINHA (04)

Homenagem ao Cel. Duncan

Um grande mestre apresenta-se ao nosso patrono - Brig. Nero Moura - Missão cumprida!



AGENDA


23 de outubro

Dia do Aviador

24 de outubro

Aniversário da Base Aérea de Santa Cruz

07 de novembro

Aniversário do 1o /16o GAv

10 de novembro

Aniversário do 1o /10o GAv

18 de dezembro

Aniversário do 1o GpAvCa


Às Unidades aniversariantes os votos de ventos sempre favoráveis na realização de todas as missões.

Senta a Púa !


PAPO-RÁDIO  

 

1 - ARMAS EM FUNERAL

É com pesar que comunicamos o falecimento do nosso prezado companheiro Cel Euro Campos Duncan Rodrigues, piloto de caça da turma de 1963, ocorrido na madrugada do dia 14 de setembro, no Rio de Janeiro.

Cel. Duncan  - voo GpAvCaDiretor da ABRA-PC desde a sua fundação em 10 de agosto de 1995, o Cel Duncan foi um incansável colaborador e um eterno vibrador com as coisas da aviação de caça em particular e da Força Aérea Brasileira. Era Engenheiro Elétrico formado pelo Instituto Militar de Engenharia (IME), foi comandante do 2º Esquadrão do 1º Grupo de Aviação de Caça, membro da COMFIREM F-5 nos EEUU, S-3 do 1º Grupo de Aviação de Caça, primeiro chefe do Grupo de Acompanhamento e Controle EMBRAER (GAC-EMB), e diretor do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI) do Centro Técnico Aeroespacial (CTA).

Piloto de caça de mão cheia, era o tenente que estava às “6 horas” do Cel Berthier, no combate que levou ao desaparecimento do então comandante do 1º GAC.

De humor requintado, cavalheiro e, sobretudo, grande companheiro, encarava a vida com muita alegria e objetividade.

Cel. Duncan  - voo GpAvCaFoi casado em primeiras núpcias com a Srª Clotilde, com quem teve um filho, Rodrigo, e em segundas núpcias com a Srª Sônia, com quem teve um filho, Felipe, através de quem e de todos nós haverá de se perpetuar para sempre. Nossas mais sentidas condolências à família enlutada.

Sentiremos a sua falta!

Pá... Parapá... Adelphi! Descanse em paz nobre amigo Duncan!


Adelphi !




2 - ANIVERSÁRIO DA ABRA-PC

Comemoramos no dia 11 de agosto o 17º aniversário da ABRA-PC, com um almoço comemorativo realizado nas dependências do Clube de Aeronáutica da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.
Reunimos cerca de 60 associados em torno de uma mesa amiga, onde experiências, histórias e vibração pela aviação de caça e pela Força Aérea Brasileira foram trocadas num ambiente amigo e camarada. Revigoramo-nos todos, os mais velhos com a vibração dos mais novos e, estes, com o ainda presente brilho nos olhos dos mais antigos.

Agradecemos a presença de todos, em especial dos Tenentes- brigadeiros Azevedo (CHEM), representando o comandante da Força Aérea, Rossato (COMGAR), e Paes de Barros (COMGAP), bem como do Maj Brig Meira, nosso veterano do 1º Grupo de Aviação de Caça com 93 missões de combate. Agradecemos, também, os cartões que os Tenentes Brigadeiros Terciotti (DEPENS) e Nicácio (STM) gentilmente nos enviaram, bem como a ligação telefônica do Tenente Brigadeiro Mendes (DECEA), informando da impossibilidade de comparecer e cumprimentando-nos pelo evento.

A todos o nosso muito obrigado. Estamos todos de parabéns!


3 - PRÊMIO PACAU MAGALHÃES MOTTA 2012

Segue nosso segundo chamamento aos nobres caçadores para participarem do PPMM 2012.

Ano passado tivemos a grata satisfação de receber 16 trabalhos para concorrer ao citado prêmio. Seja pelo número recebido, seja pela elevada qualidade dos trabalhos recebidos, o PPMM de 2011 foi um sucesso.

Esperamos que este ano tenhamos a mesma participação e o mesmo sucesso.

Nobres caçadores escrevam seus trabalhos e nos enviem. A aviação de caça brasileira agradece!



4 - GANHADORES DO PRÊMIO PACAU MAGALHÃES MOTTA 2011

Dentro das regras que regem a realização do PPMM está a publicação dos trabalhos vencedores para que todos os associados tomem conhecimento deles. Em relação aos trabalhos premiados deste ano, iniciamos na edição passada do nosso boletim a divulgação deles, entretanto, por uma falha imperdoável da nossa edição, omitimos o nome do oficial que escreveu o Trabalho Premiado nº 1: “O Impacto da Desativação do AT-26 na Progressão Operacional dos Pilotos de Caça da Força Aérea Brasileira”; é ele o Tenente Coronel Marcelo Alvim Agrícola, a quem pedimos nossas mais sinceras desculpas pela omissão, uma vez que tornamos público seu trabalho, mas, ainda, com o pseudônimo com o qual a avaliação dele foi feita.

Na edição do presente boletim estamos divulgando o trabalho premiado nº 2: “O Uso de Aeronave Multifunção na Aviação de Caça”, do Major Alessandro Cramer, e no último boletim deste ano divulgaremos o trabalho premiado nº 3: “Conexão Sabre – O Portal do Conhecimento da Aviação de Caça”, do Tenente Gustavo Moreira Tavares. Uma vez mais ao Tenente Coronel Alvim nossas sinceras desculpas e nossos cumprimentos, a todos, pela excelência dos trabalhos premiados.



5 - VIAGEM AO EXTERIOR PATROCINADA PELA ABRA-PC

Como é do conhecimento dos nossos associados, a ABRA-PC patrocina, anualmente, a ida de dois associados ao exterior para participar de feiras internacionais de aeronáutica e espaço, normalmente Le Bourget, na França, e Farnborough, na Inglaterra. Um dos agraciados é o estagiário padrão do curso de caça e o outro um associado sorteado com base na extração da Loteria Federal de Janeiro, cujos relatórios, ao final da viagem, nos permitem aperfeiçoar nossos processos com vistas a melhorar a concessão do prêmio.

Assim, com base em sugestão recebida do Tenente Vitor Luiz Martins, do 3º/3º GAv, sorteado deste ano, o sorteio passará a ser realizado no primeiro sábado de novembro para dar mais tempo de preparo para a viagem.

A presente informação permitirá que os associados possam acompanhar o sorteio, ressalvando que o regulamento que rege o assunto foi modificado para refletir a nova realidade.

Ao Ten Vitor Luiz Martins Faria, os nossos agradecimentos pela sugestão. 

 

6 - "ARAÚJOS" CAÇADORES REIS DO MAR

Em um domingo de inverno, com um belo sol (15 de julho de 2012). Praia de Copacabana (Posto 6), mar calmo, temperatura da águaaraújos marujos a 22ºC, realizou-se a “Travessia Rei e Rainha do Mar”. 3000m. Muita gente.
Bela festa.

E só deu “Caça”!

Dois Caçadores foram vencedores nas suas faixas etárias: 75/79 - Cel Av IVAN VON TROMPOWSKY DOUAT TAULOIS (Piloto de Caça- Turma 1959): 01h 04 min 55/59 - Cel Av LUIZ ANTONIO NUNES BITTENCOURT (Piloto de Caça – Turma 1982): 39min. 04 seg.Aos nossos bravos caçadores (araújos marujos!) os cumprimentos de todos os associados!

  

 7 - MENSAGEM ELETRÔNICA RECEBIDA

From: Daniel Oliveira
Sent: Thursday, July 26, 2012 12:56 AM
To: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Subject : livro "cartas de um piloto de Caça"    

 Caríssima ABRA-PC,

Confesso que só comecei ler o livro Cartas de um Piloto de Caça, de Fernando Correa Rocha, devido a ser escalado para um dos serviços de Crupiê (Oficial Controlador do Estande) em Maxaranguape-RN. Logo nas primeiras páginas, ou “cartas”, lembrei-me dos meus primeiros anos em BQ: aquela saudade de casa, da família e o início de um amor à profissão expressa em cartas aos pais. Não faz muito tempo, mas a internet ainda estava engatinhando, sendo a carta o meio de comunicação com a família e amigos...

Com o passar da leitura, fiquei cada vez mais entusiasmado com as histórias que se passavam, fazendo-me imaginar como eu lidaria com as instruções e situações que aquele cadete (posteriormente Aspirante e 2° Tenente) passou, vibrando como se fosse hoje cada conquista: cursos dos diferentes aviões nos EUA, o embarque com o 1° GAVCA para o front e as missões de guerra. Mas, na minha opinião, o auge do livro se dá quando o então aspirante Rocha escreve no dia 25 de Dezembro de 1944 para seus pais e relata: “...esse sacrifício é para que o mundo de amanhã seja um mundo sem perseguições e tiranias. Para que nunca mais as criancinhas passem um Natal morrendo de fome e frio. Para que nunca mais os sinos piquem sem expressão, de torres semidestruídas e sinos rachados por explosões...”.

Em tempos distorcidos, em que se chamam participantes de reality shows e jogadores de futebol de heróis, nunca devemos nos esquecer daqueles que realmente fizeram algo por nós.

Sinto orgulho de ser um dos herdeiros dessa geração. Mais uma vez, expresso minha admiração por meus heróis do 1° GAVCA.

Senta a Pua!

Daniel Vitor – 1° Ten Av
Instrutor de Caça do 2°/5° GAV Piloto de Caça – Turma de 2008

 

8 - XXXVI BRÓDIO DOS JAGUARES

Como de costume, em meados do mês de agosto, tivemos o prazer de participar de mais um tradicional Bródio dos Jaguares em Anápolis. Este ano, o Bródio foi planejado para se iniciar no dia 17 (sexta-feira à noite) com o churrasco de confraternização no Galo Velho.

O torneio de tênis foi programado para a manhã do sábado, dia 18 e, após a entrega dos troféus, tivemos uma farta feijoada no Clube Mach 1.

Concomitante aos jogos de tênis ocorreu o voo da saudade, quando dois veteranos são sorteados e têm a oportuMirages 2000nidade e o prazer de matar as saudades da nossa Jaca. Aqui, abrimos um parênteses para salientarmos o voo da saudade feito pelo velho Lomonte. Ele, já na reserva, no mesmo avião com o seu filho, Tenente Lomonte, um dia antes de ser batizado Jaguar. Muitas emoções!!!

Notamos, porém, que este ano, não houve o sobrevoo da Vila dos Oficiais, talvez para não “quebrar vidros” em Anápolis?

À noite, no auditório da Base, com o Comandante da Aeronáutica e vários Oficiais-Generais presentes, ocorreu o evento mais importante. O Batismo dos novos Jaguares feito pelo JG03, Ten-Brig Ref Frota, com a respectiva entrega dos Diplomas e Taças.

Foram diplomados como Pilotos de Mirage 2000, os seguintes Oficiais:

JG 245 1Ten Av Alexandre Ribeiro Lomonte JG 246
1Ten Av Valneck Peixoto de Oliveira Melo JG 247
Cap Av Ângelo Andreotti Ricaldoni JG 248
1Ten Av Gustavo Cury Guimarães JG 249
1Ten Av Ciro Albuquerque Telles

Por sua dedicação ao 1° GDA, foram agraciados como Jaguares Honorários os seguintes Militares:

JH 143 Cap Esp Fot Lúcio Jacques
 JH 144 1Ten Med Alexandre Fonseca de Melo
JH 145 SOSAD R1 Urlene José Gomes Martins
JH 146 SOBSH R1 Emanoel Torres Jardim
JH 147 2SBMA Wellington Gonçalves da Silva

Antes da oração do jaguar, o Comandante do GDA, em nome de todos os Jaguares, prestou uma homenagem póstuma ao JG 02 Cel-Av Ref Bins, com toda a sua família presente. Suas palavras foram bastante significativas emocionando todos os presentes.

Após a solenidade foi realizado o tradicional queijos e vinhos, onde se pôde conversar com amigos e matar as saudades daqueles que há muito não se via.Nossos amigos jaguares estão de parabéns!

Alberto “Bidon” Côrtes – Cel Av Ref
Piloto de Caça - Turma de 1970 - JG26

  

DEMONSTRATIVO FINANCEIRO RESUMIDO :

      SALDOS EM 31 DE AGOSTO DE 2012

 

Conta Corrente (Banco Real)

R$ 5.50326

Fundos ABRA-PC (DI-Supremo)

R$ 40.66443

Sub-total recursos ABRA-PC

R$ 46.16769

 

        FUNDOS ESPECIAIS (*)

 

Desenvolv. Cult. da Av. de Caça

R$ 5.36546

Prêmio Pacau

R$ 57.32147

 

        MÉDIAS DE RECEITAS DE 2012

 

Média anual

R$ 10.34801

 

        MÉDIAS DE DESPESAS DE 2012

 

Custeio

R$ 6.15476

Eventuais

R$ 2.63575

(*) A origem desses recursos deve-se à doação de cem mil reais, feita pelo Brig. Magalhães Motta à Associação Brasileira de Pilotos de Caça.

 


 DEPOIMENTO

(extrato de entrevistas dos Veteranos de Guerra para o documentário "Senta a Púa")

  

Brigadeiro Newton Neiva Figueiredo 

 

A Reação Brasileira

Veterano Brig. Neiva  “Desde fevereiro de 1942 o Brasil sofreu um forte impacto com o afundamento do primeiro navio mercante nosso fora de águas territoriais. Depois houve uma sucessão de torpedeamentos de navios nossos, e o povo nas ruas exigia uma reparação a essa agressão, totalmente descabida, com perdas de inúmeras vidas valiosas, vidas brasileiras. Pela constituição o Brasil sempre foi um país neutro, e assim sendo não havia justificativa para esses ataques. Finalmente, em agosto de 1943, o Congresso declarou ‘Estado de Guerra’ no Brasil”.

  

  

O Brigadeiro Nero Moura

“O então Tenente Coronel Nero Moura era um homem singular, um homem que sabia lidar com os seus comandados, um bravo no combate que tratava os seus homens com dignidade. Daí vinha o respeito que todos nós tínhamos – e ainda temos – por ele, por sua memória. E graças a isso, à pessoa dele, o Coronel Nero Moura hoje é o patrono da aviação de caça da FAB, por todas as suas qualidades profissionais e morais, pelo seu comportamento em paz e na guerra. Foi um homem excepcional, e inclusive eu próprio cheguei a realizar missões com ele, tive essa honra. Como piloto ele era igual a todos nós: nem melhor nem pior. Ninguém se considerava um ‘ás’, éramos todos iguais e todos combatentes com uma finalidade única, que era a vitória.”

  

A FAB no Pré-Guerra

“Quando o Brasil entrou na guerra eu era instrutor de voo e pilotagem na Escola de Aeronáutica. Grande parte da minha turmapermaneceu na escola naqueElemento de P-40la fase de crescimentoda FAB, que havia sido criada há um ano e meio apenas. Basta dizer que a turma que precedeu a nossa era composta por  dez cadetes, e a nossa turma foi de oitenta e quatro: veja a explosão que houve a com criação da FAB. Isso exigia um esforço muito grande inclusive por parte dos instrutores, pois cada um de nós tinha sete alunos de manhã e à tarde, era um esforço sobre-humano. Fora disso outros companheiros nossos estavam empenhados nas patrulhas de proteção dos comboios ao longo do litoral, em todas as bases que nós tínhamos, bases ainda oriundas da Marinha, em Salvador, Florianópolis, Natal e Recife. O Exército tinha as duas bases que eram sede dos aviões de patrulha que nós estávamos recebendo dos Estados Unidos, aviões modernos. A FAB, embora nova, estava equipada naquele momento com os aviões mais modernos que eram utilizados na guerra, e todos esses aviões eram pilotados por brasileiros. Existia um curso em Recife que era dado pelos americanos para pilotos brasileiros, curso este de adaptação a esses equipamentos novos que estavam vindo para a FAB. Além disso nós estávamos formando os pilotos,e nessa situação foi declarada a guerra, sendo decidido enviar a FEB para o Teatro de Operações no Mediterrâneo. A FAB por sua vez resolveu enviar duas unidades também para o Teatro de Operações, uma unidade de combate que seria o ‘Primeiro Grupo de Caça’, do qual eu participei, e a ‘Primeira Esquadrilha de Ligação e Observação’ – a ELO – que era integrada na FEB, uma esquadrilha que trabalhava com artilharia divisionária da Força Expedicionária Brasileira. Nós não fizemos parte da FEB, visto que toda a aviação tática do Teatro de Operações estava coordenada pelo 22, o comando aerotático que tinha vinte grupos de caça do qual éramos um, quer dizer , nós éramos cinco por cento da força aerotática do Teatro de Operações.”

 

  

Os homens-Chave

Esses ‘homens-chave’ foram escolhidos pelo próprio Major Nero Moura, que selecionou os homens e os comandantes de esquadrilhas, além dos diferentes elementos que iriam compor esse grupo no primeiro treinamento. Nós éramos dezesseis oficiais e dezesseis subalternos, e fomos todos para Orlando para o Curso de Tática Aérea onde nós fizemos a parte teórica e a parte de voo. O ‘pessoal de chão’ fazia a sua parte cor- respondente de manutenção, comunicações, informações e armamentos; eu inclusive era oficial de armamentos. Os americanos resolveram que todos os pilotos deveriam voar, e eu estava incluído, é claro, como também o oficial de informações – que era o Miranda Corrêa – e o oficial de comunicações, que era o Kopp. Então nós passamos para o voo e fomos depois encaixados nas diferentes esquadrilhas: o Kopp foi para a vermelha, eu fui para a azul e o Miranda permaneceu em informações, apesar de ter realizado algumas missões reais conosco na Itália.”


 

Temos 86 visitantes e Nenhum membro online